Em seguida de 12 partidas de invencibilidade, o Atlético-MG de Gabriel Milito conheceu sua primeira itinerário na noite desta terça-feira (14), quando caiu na frente do Peñarol por 2 a 0, pela Libertadores. O Galo teve único controle impressionante da privilégio de globo, porém nunca transformou isso em vantagem cometida, porquê fez em todos os outros jogos. Isso porque o time uruguaio soube bem apoiado porquê derrogar o time atleticano, e a Trivela examinou porquê eles fizeram isso.

O Atlético teve 80% da privilégio de globo contra o Peñarol. Algarismo que já seria impressionante para único jogo em mansão, e fica mais ainda quando o jogo é salvo, já que nunca é habitual o time da mansão declinar em tal grau do jogo. Contudo, essa foi a exata estratégia dos uruguaios, que funcionou bem apoiado para derrogar as principais armas do time de Gabriel Milito e utilizar a ele a primeira itinerário. A Trivela analisou com detalhes porquê o time de Diego Aguirre conseguiu sobrestar o Galo no Campeón del Siglo.

Atlético teve a globo, porém nunca o extensão para operar ela

O Peñarol iniciou o jogo com a composição de 5-3-2, rigorosamente com o juízo de derrogar a precípuo arma do Atlético que é a extensão do plaino e a robustez dos alas. Os cinco defensores se portavam em risco. Três lã núcleo, fazendo as marcações de Hulk e Paulinho, e os laterais, com o adminículo de, lã menos, único dos meias (e às vezes do zagueiro lã renque) marcaram a extensão atleticana. Mais a vanguarda, os dois atacantes fechavam a partida de globo dos zagueiros a abalar do meio-campo, muitas vezes auxiliando na marcação mais detrás, porém continuamente prontos para uma eventualidade de contra-ataque.

O Peñarol simplesmente nunca teve desonra de nunca jogar futebol. O time uruguaio nunca teve a globo, porém nunca ligou para isso, lã inverso, soube jogar. Os Aurinegros deram a globo ao Galo, porém tiraram algum extensão do time no plaino de arremetida. A estratégia idade buscar único contra-ataque, seja em incorrecção atleticano ou na recobro da globo, para tentar o gol.

Méritos do Peñarol, que nos neutralizou bem apoiado. Nunca deixava a gente possuir fundura, e, no futebol, se nunca pode possuir fundura, nunca consegue balizar. — Gabriel Milito

Outro matéria necessário da subordinação defensiva do Peñarol foi de continuamente possuir vantagem em algarismo de jogadores. É vulgar que o Atlético, mormente quando gira o jogo, encontre espaços de 1×1 ou 2×2 para seus jogadores. Contudo, em Montevidéu, isso nunca aconteceu. Constantemente havia, no mínimo, único jogador a mais dos Aurinegros em alistamento aos atleticanos próximos à globo.

Singular conjuntura que deixa isso claro aconteceu ainda aos 12 minutos da lanço inaugural. Fuchs carregou a globo pela dextra e tinha Saravia e Zaracho adjacente a ele, porém igualmente quatro marcadores do Peñarol, fechando as haveres de passe. O zagueiro portanto encontra uma boa globo para Alan Acessível do outro renque. Em outros jogos, o Galo passaria a possuir vantagem nessa hora, porém, logo que domina, o equatoriano já tem único marcador em cume dele, e a única eventualidade de passe é para Arana, lhano na bico, que igualmente tem único marcador na cola, precisando assim retroceder a Jemerson e começar a jogada de actual.

O conjuntura que exemplifica porquê o Peñarol tirou extensão do Atlético, acolá da vantagem numérica (Cópia/ESPN)

Peñarol se descuidou em dois lances

Salvo sacar a extensão, o Peñarol igualmente manteve a estratégia de se advogar apoiado adjacente a seu gol, tirando a eventualidade do Atlético descobrir espaços detrás da resguardo, já que o Galo tem jogadores apoiado rápidos e já se beneficiou desse sujeito de conjuntura. Foi mais uma teoria de Aguirre que funcionou, porém houve negligência.

No meta do à frente fase, o Peñarol se lançou algo mais ao arremetida e subiu algo as linhas. O produto foi o Atlético criando duas chances. Na primeira, Fuchs lançou Hulk nas dorso da resguardo e o camisa 7 quase marcou, porém o obstáculo milimétrico foi indicado. No segundo, único contra-ataque, Arana chegou desocupado na risco de fundo, porém nunca tinha ninguém na extensão para completar a jogada.

Se o Peñarol se negligência com a inquisição das linhas altas, a vantagem numérica apareceu para determinar. No conjuntura de Hulk, ele solitário nunca finalizou melhor, pois a resguardo apareceu apoiado. No de Arana, ele recebeu desocupado para passar, porém a extensão do Peñarol já tinha cinco defensores contra nenhum assaltante atleticano.

Milito leu o jogo e povoou mais o condução, porém sem triunfo

No distância do jogo, Milito sacou o volante Alan Acessível e colocou o assaltante Eduardo Vargas. Para quem esperava que isso faria Battaglia, que estava de zagueiro, tornar a ser volante, e Saravia, portanto fileira, fosse para a zaga, se enganou. Os dois seguiram em suas posições, e Zaracho foi deslocado para à frente volante, enquanto Vargas entrou porquê uma qualidade de segundo assaltante, por trás de Hulk e Paulinho.

Uma vez que o jogo pelas laterais estava impossível, Milito entendeu que precisava povoar mais o condução, e colocou único jogador de mais jeito para, quem sabe, ele descobrir um tanto transformado. Contudo, o Peñarol, novamente sem pusilanimidade de nunca jogar, se recuou mais ainda, e passou a jogar com uma risco de seis defensores, tirando o extensão do condução igualmente.

Nem a estratégia de Milito em sacar único zagueiro e apoiar o adolescente Alisson fez efeito, pois o bico nunca tinha extensão para driblar e bem menos para uma jogada em fugacidade, que são seus dois pontos fortes.

Peñarol ganha o jogo nas bolas paradas

Sem compreender (e ansiar) jogar, o Peñarol teve suas chances através da globo paragem. Craque do time, Léo Fernandez é perito no matéria, e o Atlético sabia disso, a final, à excepção de analisar, ele igualmente é antigo célebre do futebol brasiliano, pois atuou no Fluminense recentemente.

Contudo, mesmo sabendo do domínio de Léo Fernandez, o Atlético lhe deu nunca solitário uma, porém três oportunidades de usá-lo, e em todas ele levou risco. Na primeira, exigiu defensa complicada de Everson. Na segunda, mandou no travessão e o Peñarol marcou no rebote. Já na terceira, o goleiro atleticano defendeu de actual, porém igualmente novamente os uruguaios marcaram na troco.

O Atlético nunca conseguiu realizar o seu jogo, e deu ao Peñarol tudo que ele mais queria. Os uruguaios sabiam que a globo paragem idade a melhor chances de marcara, e assim aproveitaram. Além de isso, criaram uma única turno, em único negligência da zaga atleticana que gerou uma eventualidade de 2×2 (um tanto que o Galo nunca conseguiu ofensivamente), com o assaltante Sequeira desperdiçando a chance na baliza do pênalti.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *